Análise Econômica, Política & Social
7 DE janeiro DE 2020 - 20:43

Produção de veículos tem alta de 2,3% em 2019

A Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – informou que a produção de veículos no país apresentou crescimento de 2,3% em 2019, registrando a fabricação de 2,94 milhões de unidades veículos, que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Segundo a entidade, este é o maior volume anual desde 2014, primeiro ano antes da crise econômica, quando as montadoras produziram 3,15 milhões de veículos. É o terceiro ano seguido de crescimento.

O avanço, desde 2018, tem sido impulsionado apenas pelo aumento da demanda no mercado interno. As vendas para o consumidor brasileiro cresceram 8,6% em 2019, para 2,79 milhões de unidades.

A maior parte da expansão do mercado foi puxada pelo cliente pessoa jurídica, como locadoras, produtores rurais e frotistas em geral, que compram diretamente das montadoras, sem passar pelas concessionárias e, com isso, conseguem descontos mais vantajosos.

O avanço da produção só não foi maior por causa da queda das vendas para outros países, que ocorreu pelo segundo ano seguido. Com a crise da Argentina, principal destinos das exportações brasileiras de veículos, o volume vendido ao exterior caiu 31,9% em 2019, para 428,2 mil unidades, o menor nível desde 2015, quando as exportações somaram 416,9 mil unidades.

Empregos – Mesmo com o crescimento no volume produzido em 2019, as montadoras mais demitiram do que contrataram no ano passado. Foram 4.013 vagas de emprego fechadas, a maior parte em razão do fim da operação da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo. Só em dezembro, foram eliminados 842 postos de trabalho. O setor fechou o ano com 125.596 funcionários espalhados pelo Brasil.

Perspectiva 2020 – A Anfavea estima que a produção de veículos deve alcançar 3,16 milhões de unidades em 2020, alta de 7,3% em relação ao resultado de 2019.

Assim como em 2018 e em 2019, a produção deve ser impulsionada somente pelo mercado interno. A Anfavea projeta aumento de 9,4% nas vendas ao consumidor brasileiro, para 3,05 milhões, e recuo de 11% nas exportações, para 381 mil unidades.

Para a associação, a demanda interna será puxada pelo crescimento do PIB, estimado em 2,5%, pelo nível sob controle da inflação e pelo juros básicos no menor nível da história, que favorecem o financiamento de veículos.

Em relação ao mercado externo, Moraes ressalta que a Argentina, principal destino das exportações de veículos, não apresenta sinais de recuperação no curto prazo. “O impacto da crise argentina continua significativo”, disse Luiz Carlos Moraes, presidente da entidade.”O novo governo ainda está começando e não há nenhuma novidade que indique uma retomada em 2020″, afirmou.

A Anfavea estima ainda que o mercado interno de caminhões deve crescer 16,9% em 2020, para 143 mil unidades. Em 2019, foram vendidas 122 mil unidades. Para o mercado externo, contudo, as vendas devem cair 22,7%, para 16 mil unidades.

No ano passado foram embarcadas 21 mil unidades. Com isso, a produção de caminhões no Brasil deve avançar 13,4% neste ano, para 160 mil unidades, na projeção da Anfavea. Em 2019 o volume produzido chegou a 141 mil unidades.

Fonte: Anfavea e veículos de imprensa diversos

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.