Análise Econômica, Política & Social
4 DE setembro DE 2019 - 7:17

Produção de fundidos acumula alta de 3,4% no ano

A produção brasileira de fundidos totalizou 205.268 toneladas em julho, o que corresponde a uma alta de 9,0% em relação ao mês imediatamente anterior, conforme dados da ABIFA – Associação Brasileira de Fundição.

No ano, o setor acumula 1,36 milhão de toneladas fundidas, 3,4% mais do que nos sete primeiros meses de 2018. O ferro fundido lidera a produção no país (1,09 milhão t), seguido do aço (153.804 t) e dos metais não ferrosos (113.239 t).

A maior parte do volume fundido em julho (168.999 t) foi consumida no mercado interno, o que equivale a 82,3% do total.

Entre janeiro e julho, 220.643 t de fundidos foram exportadas, ou seja, 16,14% da produção acumulada de 1,36 milhão t.

Na comparação interanual, a queda dos embarques até julho foi de 2,1% em relação a 2018 (em peso). Em valores, o recuo foi de 4,0%.

Para atender à demanda de fundidos em julho, o setor empregou 56.772 pessoas. Este número é 0,2% superior ao de junho de 2019 e 2,9% maior que o de julho de 2018.

Previsão
A ABIFA – Associação Brasileira de Fundição – mantém a estimativa de crescimento de 7% para o exercício 2019, o que equivale a uma produção anual de 2,45 mil t de fundidos.

O país já começa a dar sinais mais consistentes de retomada, com o PIB de 0,4% no segundo trimestre de 2019 (comparado ao primeiro), puxado principalmente pela indústria de transformação, categoria na qual se enquadra a fundição. O fato animou até mesmo os analistas de mercado, que já estudam rever a previsão do PIB anual, estimado em 0,8% até então, segundo Boletim Focus.

Os números do setor automotivo, principal consumidor dos fundidos brasileiros (56%), também animam e ajudam a corroborar a tese de um segundo semestre mais produtivo.

Segundo dados da ANFAVEA, o mês de julho foi melhor desde 2013 para a produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Os resultados apontaram para uma alta de 14,2% na comparação com junho, e de 8,4% em relação a julho de 2018.

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.