Análise Econômica, Política & Social
22 DE fevereiro DE 2019 - 14:47

Pesquisa mostra atividade industrial em recuperação

Os dados da Sondagem Industrial de janeiro confirmam a recuperação da indústria brasileira. Segundo destaca a CNI – Confederação Nacional da Indústria -, o indicador de evolução da produção foi de 49,3 pontos e o de número de empregados ficou estável em 49,7 pontos.

Os dois indicadores estão muito próximos da linha divisória dos 50 pontos e mostram a melhora na atividade, Os indicadores da pesquisa variam de zero a cem pontos. Quando estão abaixo dos 50 pontos mostram queda na produção e no emprego.

De acordo com a CNI, com o fim das encomendas de Natal, a queda da produção em janeiro é normal. Entretanto, o índice de evolução da produção foi o maior para o mês de janeiro desde o início da série mensal, em 2010. O indicador de número de empregados também é o maior para o mês de janeiro desde 2011, quando começou a série mensal. Também é a primeira vez que o indicador fica estável no mês.

Outro sinal positivo foi a utilização da capacidade instalada que alcançou 66% em janeiro. “O percentual supera o registrado no mesmo mês de 2018 e é o maior para o mês de janeiro nos últimos quatro anos”, diz a pesquisa. Os estoques também ficaram muito próximos do planejando pelos industriais.

Com a melhora do cenário, os empresários estão ainda mais otimistas. Os indicadores de expectativas de demanda, de número de empregados e de compras de matérias-primas subiram pelo quarto mês consecutivo e se mantêm acima da linha divisória dos 50 pontos. Isso mostra que os industriais esperam o crescimento da demanda, do emprego e da compra de matérias-primas nos próximos seis meses.

O indicador de expectativa de quantidade exportada caiu para 54,3 pontos, mas continua acima dos 50 pontos, mostrando que há perspectivas de aumento das vendas externas.

Perspectiva de investimentos

O índice de intenção de investimento também cresceu e alcançou 56,6 pontos. Foi o quinto mês consecutivo de alta do indicador, que é o maior desde abril de 2014, quando ficou em 57,7 pontos. O indicador varia de zero a cem pontos e quanto maior o índice, maior é a disposição dos empresários para investir.

“Esperamos que as expectativas otimistas se concretizem e que o ritmo de recuperação da atividade industrial se mantenha ou mesmo acelere nos próximos meses. Para isso, é importante que seja aprovada uma reforma da Previdência robusta, capaz de realmente reverter a trajetória explosiva do déficit público”, afirma o economista da CNI Marcelo Azevedo.

A CNI informa que esta edição da Sondagem Industrial foi feita entre 1º e 13 de fevereiro com 1.938 empresas, sendo 817 pequenas, 679 médias e 442 de grande porte.

Fonte: Agência CNI de Notícias/Verene Wolke

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.