Análise Econômica, Política & Social
16 DE setembro DE 2019 - 14:41

País está há 30 anos sem projeto de desenvolvimento

O presidente da ABDIB – Associação Brasileira da Infraestrutura e da Indústria de Base -, Venilton Tadini, disse que a indústria respira e sofre com o que vem acontecendo com o investimento recente na área de infraestrutura no Brasil.

Segundo ele, são dois os pontos vistos como causas de natureza estrutural da tendência à estagnação secular no país. “O primeiro é que nós estamos praticamente há 30 anos sem um projeto de desenvolvimento claro”, disse. Segundo ele, somente e três ciclos houve essa articulação: nos governos Vargas, Juscelino e depois, numa parte expressiva, no governo militar.

“A partir do momento de crise cambial e hiperinflação, as tentativas de estabilização nos deixaram míopes em relação às estratégias de desenvolvimento que o país deveria seguir”, disse Tadini.

Para ele, o Brasil, que chegou a disputar no século passado níveis de produtividades com a Coreia com intervenção do Estado, vê esta intervenção sendo demonizada por causa de alguns instrumentos usados equivocadamente num passado recente. Portanto, de acordo com ele, a questão do planejamento econômico de médio e longo prazo é extremamente fundamental.

“É difícil dizer de que infraestrutura você precisa quando você só cresce a reboque da demanda. E a infraestrutura é indutora do processo de desenvolvimento. É uma coisa absolutamente inconcebível você fazer investimento de infraestrutura para romper gargalo. Fazemos isso porque somos agredidos pelos fatos por não termos clareza da estratégia de desenvolvimento a seguir”, criticou.

“No período recente, isso fica mais agudo com o fato de se esquecer políticas verticais e achar que só políticas horizontais vão resolver os problemas com segurança jurídica. Não vai resolver. Nós já vimos num passado recente que a taxa de juro caiu e o investimento não subiu. Fica difícil aqueles que têm uma formação mais clássica entenderem esse fenômeno”, disse Tadini.

Segundo ele, o segundo ponto é que o déficit primário é elevado e, no entanto, a inflação está abaixo do centro da meta. “Então tem alguma coisa de errado. Nós temos trabalhado sistematicamente essa falta de planejamento sem um programa articulado entre infraestrutura e indústria. Infraestrutura é fator de competitividade e não um fim em si mesma. Eu ouço falar em infraestrutura como um fim em si mesma e isso não é verdade”, comentou.

No entanto, segundo ele, é preciso que se fale de que infraestrutura se precisa a partir do momento em que se define a estrutura de circulação de mercadorias que se quer. “Se eu quero ser um País que trata de minério de ferro ou do agronegócio, eu vou por esse caminho porque vou encontrar rapidamente em cada ciclo internacional de queda de preço de commodities uma queda da nossa renda interna, uma dificuldade para retomada e manutenção do crescimento sustentável”, disse.

Para Tadini, os produtos de maiores valores agregados não são pensados na estrutura de cadeias produtivas. Segundo ele, o Brasil não tem uma inserção pensada nos mercados internacionais e muito menos uma articulação mais adequada com os países vizinhos seja em infraestrutura, seja em termos de transportes e energia, seja do ponto de vista de mercadorias.

“É preciso retomar a capacidade de planejamento. Hoje, o que se vê é que nos projetos que estão sendo estruturados a capacidade de estruturação melhorou muito. Mas os investimentos não crescem mais porque simplesmente não têm projetos”.

Fonte: Estadão Conteúdo/Site da ABDIB

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.