Reflexões da Redação
Mentira máscara

Sobre algumas mentiras preocupantes

Nos últimos tempos, estabeleceu-se um grande debate em todo o país sobre as fake news publicadas, especialmente, nas redes sociais e aplicativos, visando atingir pessoas e instituições. São divulgações mentirosas que causam forte impacto, muitas delas carregadas de bílis, ódio e mau sentimento - parafraseando o ministro Luís Roberto Barroso -, que atingem e levam prejuízos para toda a sociedade. Uma coisa é certa: neste ano em que o país terá eleições, esse tipo de notícia deverá crescer visto que, para garantirem votos, muitos candidatos lançarão mão de mentiras e promessas para ludibriar os menos avisados. Aliás, a mentira se traveste de formas diferentes: é o caso dos indiciados nas ações da Lava Jato. Nos interrogatórios, verifica-se uma enxurrada de justificativas, que não passam de mentiras e que só servem para confundir a população. Cada um defendendo a própria pele, fortalecendo a política suja suportada pela corrupção. Agem assim, mesmo sabendo que estão prejudicando o país. Não percebem estes senhores que, diante de tanta mentira e promessa, os brasileiros estão perdendo as esperanças de ver o país investir na volta do pleno emprego e na dignidade dos seus cidadãos. [clique no título para ler a íntegra]

Industriatividade 2 anos

IndustriAtividade: dois anos sem anunciantes

Em meio a notícias de que o país começa a reencontrar o caminho do crescimento, este portal chega ao seu segundo ano de atuação, cumprindo seu papel de noticiar as atividades, o desenvolvimento e as inovações apresentadas pelas indústrias instaladas no país. As informações que recebemos e que publicamos dão conta da volta da esperança do setor industrial, animado pelos últimos resultados da economia: produção em crescimento; juros tendendo a 6,25%; inflação abaixo da meta e melhoria do consumo, entre outros. Nesta esteira, o portal tem buscado divulgar importantes temas relacionados aos negócios, à empregabilidade e aos investimentos dos mais diversos segmentos industriais. As questões políticas também sempre ocuparam espaço nas nossas reflexões, pois jamais nos conformamos com os males da corrupção e sua influência direta nas decisões dos executivos e dos parlamentares do país. O ponto alto do portal tem sido a qualidade do conteúdo jornalístico e a atualidade dos assuntos, o que tem gerado um crescimento na credibilidade e avaliações positivas expressas pelos leitores. Apesar de todas as manifestações positivas vindas de diferentes setores, o portal até hoje não recebeu o que é mais importante: o retorno publicitário. [clique no título para ler a íntegra]

Golpe alerta

Temporada de golpes

A crise que ainda afeta o país traz na esteira um forte desvio ético e moral de uma pequena parcela da sociedade, que tenta levar a vida à custa da fragilidade das pessoas de bem. Não que seja novidade, mas nos últimos tempos tem crescido significativamente o número de golpes domésticos via telefone, internet, cartas e outras modalidades cada vez mais elaboradas. O recente aumento tem a ver com malandros e oportunistas, escondidos numa voz ou num conjunto de letras, que atua livremente, aproveitando da boa fé e da ingenuidade das pessoas, especialmente das mais idosas. Na modalidade mais comum, os desavisados recebem ligações que oferecem vantagens “imperdíveis” de produtos e serviços, nas quais muitos, pegos de surpresa, acabam embarcando na lábia de golpistas altamente preparados. Outro golpe é o do cartão de crédito clonado. Há também as ligações de conhecidas operadoras de telefonia e TV por assinatura propondo uma mudança vantajosa de plano. Fica a pergunta: quem está do outro da linha? Enquanto nada se faz contra esses bandidos, os cidadãos de bem vivem atônitos, como se estivessem esperando o próximo golpe. Dá até para imaginar os problemas vividos pelas empresas com essa insegurança. [clique no título para ler a íntegra]

Rio Intervenção 2018

Rio ou Brasil?

Qualquer mudança constitucional está temporariamente impedida enquanto vigorar a intervenção federal na segurança pública no Rio de Janeiro. Não que o Rio não seja importante. É que a tão necessária reforma da Previdência - entre outras PECs estacionadas no Congresso -, que traria benefício para o país todo, foi praticamente enterrada. É claro que a falta de segurança está apavorando os cariocas e fluminenses, porém, a situação foi causada pelos próprios governantes que por lá passaram nos últimos 20, 30 ou mais anos, que corromperam e se deixaram corromper, levando o Estado ao caos vivido hoje. Ao optar pelo Rio, o governo agiu sem pensar naquilo que, durante pelo menos um ano, trabalhou e investiu (vide emendas parlamentares e distribuição de cargos), jogando no lixo a esperança de uma reforma fundamental para o futuro dos brasileiros e das empresas. Hoje, com o leite já derramado, a única esperança que resta é que a intervenção não seja apenas uma jogada de marketing político do governo, e que, ao cabo das ações militares, possa produzir uma verdadeira política de segurança pública para o Rio de Janeiro e para as demais unidades da Federação, que sofrem do mesmo mau, várias delas em situação pior. [clique no título para ler a íntegra]

congresso nacional

Às favas com a reforma da Previdência

É obvio que gostaríamos que a reforma da Previdência fosse aprovada ainda neste ano, porém, da maneira como está sendo conduzida pelo Governo e pelos políticos, é melhor que seja deixada para que uma próxima gestão assuma esse trabalho. Refém de políticos retrógrados, Temer não conseguiu, até agora, conduzir a reforma, frustrando grande parte da sociedade. Os parlamentares dão as costas a empresários, economistas e especialistas, que afirmam que ela é um dos principais pilares do equilíbrio permanente das contas públicas, e a não aprovação colocará em risco o ajuste fiscal e a estabilidade alcançada até agora. Fica evidente, portanto, que votar a reforma da Previdência é fundamental para a retomada dos investimentos em infraestrutura, saúde, educação, moradia. Aliás, até a agência de risco S&P mandou seu recado. No entanto, nossos “líderes” estão dando preferência à sustentação do status quo, representado pela velha política do toma lá, dá cá, que, certamente, levará o país à falência definitiva de suas instituições. Ao indicar Cristiane Brasil ao Ministério do Trabalho, Temer está dando aval para que não se cumpram as leis trabalhistas. Se for para continuar assim, o melhor é que se mande às favas a reforma da Previdência, pois o Brasil não suporta mais ser enganado por barganhas que alimentam a corrupção. [clique no título para ler a íntegra]

Voto 2018

Ano de eleição pode trazer retrocessos ao Brasil

Um presidente fraco, sem reconhecimento popular e que alterna decisões positivas e negativas - com destaque para a desastrada indicação da nova ministra do Trabalho -, sem dúvida está promovendo uma grande desconfiança e receio de possíveis investidores internos e externos no Brasil. Apesar de todo o esforço da área econômica de demonstrar um quadro de crescimento e o possível afastamento da crise, os investidores precisam muito mais do que isso. A recente decisão da S&P, de reduzir a taxa de confiança no país para BB-, veio para confirmar o grau de preocupação dos investidores. Neste contexto, o Congresso Nacional não tem ajudado o país a criar um ambiente favorável aos investimentos. Pelo contrário, alimentam o clima de insegurança e afastam possíveis interessados. Há também um ingrediente que certamente vai complicar mais ainda este cenário de profundas incertezas: daqui nove meses teremos eleições no país. Os detentores do poder têm feito tanta coisa errada que não se deram conta de que estão despertando o interesse da população em torno de ideias que podem levar o país ao retrocesso. Diferente disso, o Brasil precisa agora de pessoas arejadas, com ideais verdadeiros que levem o país ao desenvolvimento sustentado, voltados aos interesses de seu povo, com prioridade à educação, saúde, trabalho, moradia e, acima de tudo, dignidade. [clique no título para ler a íntegra]

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.