O que é que há

Decretada calamidade pública do estado do Rio de Janeiro

18/06 – Sobre a decretação do estado de calamidade pública pelo governo do Rio de Janeiro, a FIRJAN diz que a grave crise financeira não é recente e nem exclusiva do estado. O problema das contas públicas estaduais e municipais é estrutural e semelhante ao enfrentado pelo governo federal e está relacionado ao elevado comprometimento dos orçamentos com gastos obrigatórios. A FIRJAN entende como fundamental estender aos estados os efeitos da PEC que limita o crescimento dos gastos públicos à variação da inflação. Para a entidade, tal medida precisa, no entanto, passar por um amplo programa de venda de ativos.

Nova alta da confiança do empresário industrial em junho

17/06 – O ICEI – Índice de Confiança do Empresário Industrial – cresceu pelo segundo mês consecutivo, alcançando 45,7 pontos neste mês junho, refletindo as mudanças do governo interino. O índice, registrado pela CNI, cresceu 4,4 pontos na comparação com o mês anterior, acumulando variação de 8,9 pontos nos dois últimos meses (era de 36,8 em abril/2016). Ainda assim, o índice permanece abaixo dos 50 pontos, o que significa que o empresário ainda registra falta de confiança, embora cada vez menos intensa. Na série histórica, o ICEI está abaixo de 50 pontos desde maio de 2014. Em novembro/2015 o índice atingiu a menor pontuação (35,0).

Espírito animal dos empresários para retomar investimentos

15/06 – Em artigo publicado nesta quarta-feira, na Folha de S. Paulo, o economista e professor Antonio Delfim Netto é objetivo ao falar sobre a retomada de investimento neste período de crise. Ele diz que não há grande teoria que estimule o investimento que é a base de tudo. O que funciona, afirma, é repetir os mecanismos utilizados pelos países que cresceram e continuam a crescer: estimular o espírito animal dos empresários com 1) perspectiva de crescimento; 2) taxa de juro real acessível com colaterais razoáveis no mercado e 3) segurança regulatória. O resto é chantili, conclui.

Na Petrobras, o buraco é mais embaixo

14/06 – A Petrobras precisará desembolsar mais de US$ 5 bilhões para concluir as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro – Comperj. Iniciada em 2008, a construção do complexo já custou aos cofres da estatal a importância de US$ 14,3 bilhões. Lembre-se que o orçamento original previa US$ 6,1 bilhões. O projeto original do Comperj previa duas refinarias, uma petroquímica, mais uma unidade de processamento de gás. O projeto foi feito quando Paulo Roberto Costa era diretor da Petrobras.

Tomara que derrota da seleção sirva para alguma coisa

13/06 – O Brasil (depois de 2014) perdeu e está fora da Copa América. Não importa se o gol foi ilegal, mas, sim, a bagunça que impera entre dirigentes que comandam o nosso futebol. É uma vergonha! O presidente da CBF está preso. O substituto não sai do Brasil, pois será preso também. As federações estaduais e clubes são dirigidos – há exceções – por pessoas mais interessadas em tirar proveito para si do que resolver as questões de suas agremiações. Ainda temos que aturar uma seleção de bons atletas dirigida por um técnico incompetente. Aliás, há coisas mais importantes para se discutir.

Nova equipe econômica vê espaço para reduzir juros

09/06 – Em último ato de Alexandre Tombini à frente do Banco Central, o Copom manteve em 14,25% ao ano a taxa SELIC (está nesse patamar desde julho de 2015), numa tentativa de segurar a inflação que fechou o mês de maio em elevação (0,78%). Por sua vez, a equipe econômica de Temer, avaliando a queda do dólar e a credibilidade do novo governo, acredita que há espaço para promover uma redução na taxa básica, já no segundo semestre. A queda seria importante para a recuperação da economia, pois tem reflexo direto nos juros cobrados nos empréstimos.

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.