Análise Econômica, Política & Social
Casa dos Ventos eólica

Geração de energia eólica cresce 19% em 2018

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica apontam que a representatividade da fonte chega a 11,5% do total gerado em agosto no Sistema Interligado Nacional

CNI Sondagem

Cresce otimismo de empresários da indústria, aponta pesquisa CNI

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) aumentou 0,9 ponto em relação a setembro e alcançou 53,7 pontos em outubro. Com isso, o indicador recuperou a queda de 0,5 ponto registrada no mês passado e acumula uma alta de 4,1 pontos nos últimos quatro meses, conforme pesquisa mensal da CNI. Os indicadores do ICEI variam de zero a cem pontos. Quando estão acima de 50 mostram que os industriais estão otimistas. Neste mês, o índice de condições atuais caiu para 45,8 pontos e está 0,9 ponto abaixo do registrado em setembro. É a segunda queda consecutiva do indicador, que mostra que o empresário percebe a piora crescente de suas condições correntes de negócios, mais especificamente das condições das empresas, informa a entidade. O índice de expectativas para os próximos seis meses subiu para 57,8 pontos e ficou acima da linha divisória dos 50 pontos, que separa o pessimismo do otimismo. O ICEI está acima de 50 pontos em todas as regiões. O indicador aumentou no Nordeste, no Sul e no Sudeste e recuou no Norte e no Centro-Oeste. [clique no título para ler a íntegra]

Marcus Nakagawa livro

Existe consumo consciente ou só compramos de forma inconsciente?

Neste artigo, Marcus Nakagawa, professor da ESPM SP e consultor em Sustentabilidade Empresarial, faz uma analise do comportamento dos consumidores e suas expectativas em relação às empresas

Sindipeças Dan Ioschpe1

O inevitável movimento de inovação

Neste artigo, Dan Ioschpe, presidente do Sindipeças, trata da importância e aponta ações voltadas à inovação, fator preponderante para a competitividade geral

Abimaq Marchesan2

A indústria e o próximo governo

“O presidente que assumir em janeiro de 2019 herdará um país que cresce de forma insuficiente e que acumula entre desempregados, pessoas que desistiram de procurar emprego e trabalhadores em tempo parcial, um contingente de quase trinta milhões de pessoas, ou seja, mais de um quarto da população economicamente ativa”. A afirmação é do empresário e presidente do Conselho de Administração da Abimaq, João Carlos Marchesan, ao analisar a atual situação do Brasil e alguns dos problemas que o futuro governo encontrará. Além desta questão da empregabilidade, ele cita, também, entre outros desafios, a crescente dívida pública, típica de um Estado que gasta mais do que arrecada. Marchesan destaca que o desafio do futuro presidente será o de recuperar o crescimento sustentado, de forma que este seja superior à média do crescimento mundial para reduzir de forma contínua a distância entre o Brasil e os países desenvolvidos e conclui que, sem um ambiente macroeconômico favorável ao investimento produtivo e sem a redução consistente e progressiva do 'Custo Brasil', é grande o risco das políticas industriais simplesmente não funcionarem como ocorreu, aliás, nas últimas três décadas. [clique no título para ler a íntegra deste artigo]

Abiquim Denise Naranjo

Déficit em produtos químicos soma US$ 27 bilhões em dozes meses

Segundo Denise Naranjo, diretora de Comércio Exterior da Abiquim, a forte alta cambial e turbulências na economia não inibiram o crescimento das importações, de US$ 4,4 bi no mês de agosto

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.