Análise Econômica, Política & Social
Mitsubishi Fabiano Lourenço2

A próxima década da indústria brasileira

O último trimestre do ano geralmente é o período para as avaliações de desempenho e planos para o futuro. Tempo de tentar projetar o que virá nos próximos ciclos, o que nunca é tarefa fácil. No mundo corporativo, instituições renomadas e especialistas são responsáveis por fornecer alguma ideia do ambiente que deve ser encontrado nos próximos anos. Neste aspecto, o Brasil reserva muitas surpresas e, frequentemente, desafia até mesmo as mentes mais brilhantes a entender onde o país estará daqui dez anos. A avaliação é Fabiano Lourenço, vice-presidente da Mitsubishi Electric do Brasil, ao tratar neste artigo das perspectivas das empresas e os investimentos que devem ser realizados no país. Ele conclui que, ainda que o efeito prático das estratégias possa ser sentido daqui a algum tempo, é necessário investir desde já. Afinal, o Brasil necessita de confiança e para saber os resultados, é necessário começar a agir agora e com o pensamento voltado para os próximos 10 anos. [clique no título para ler a íntegra]

Abimaq Marchesan3

Fatores para impulsionar o crescimento

Neste artigo, João Carlos Marchesan, presidente da Abimaq, destaca o que é preciso para que melhorem as condições de financiamento para as empresas brasileiras

Infraestrutura Brasil

Investimentos em infraestrutura devem crescer neste ano, aponta Abdib

Considerado vital para a recuperação econômica do país, os aportes no setor de infraestrutura deverão atingir 1,86% do PIB neste ano, índice pouco superior aos 1,81% do ano passado. A perspetiva é da Abdib, com base em dados apurados junto a empresas, órgãos públicos e agentes setoriais envolvidos com os investimentos no setor. O levantamento nos setores de transportes, energia elétrica, telecomunicações e saneamento básico destaca que a situação de estagnação com a qual o Brasil convive nos últimos quatro anos (depois de uma queda acentuada entre 2014-2016) é fruto de uma redução tanto dos setores públicos quanto privados. No setor público, a crise fiscal no governo federal e também nos estados e municípios impactou substantivamente os investimentos. Considerando o período 2014-2018, os investimentos privados cresceram nas áreas de energia elétrica (5,4%) e saneamento (15,6%), com tendência de crescimento neste ano. Para o presidente da Abdib, Venilton Tadini, o reflexo da estagnação do investimento total em patamares tão baixos tende a ser a deterioração das redes já construídas. [clique no título para ler a íntegra]

abiquim-fatima-ferreira

Produção da indústria química cresce no 3º trimestre

Apesar deste resultado, os índices apresentam variações negativas em relação ao mesmo período de 2018, destaca Fátima Coviello Ferreira, diretora de economia da Abiquim

Boticário Janaína Bumbeer

Pedido de socorro que vem dos mares

O oceano é o principal regulador do clima, viabilizando a vida no planeta. Além disso, é do oceano que vêm aproximadamente 19% do Produto Interno Bruto do País, a partir de atividades como pesca, lazer, turismo e transporte. A afirmação é de Janaína Bumbeer, bióloga da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, que trata, neste artigo do desastre ambiental que está colocando o Brasil, mais uma vez, em sinal de alerta. Ela destaca a importante atuação de milhares de voluntários e profissionais que abandonaram suas atividades principais para combater esta tragédia ambiental, social e econômica que afeta a todos os brasileiros. Janaína afirma que o trabalho de cada um deve ser valorizado pois “estão fazendo a diferença para a minha vida e para a sua”. Neste contexto, ela diz que precisamos nos informar a partir de fontes confiáveis e exercer o papel de cidadãos, cobrando ações rápidas e efetivas. Janaína afirma que isso é tão relevante que levou a ONU a declarar o período de 2021 a 2030 como a 'Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável'. [clique no título para ler a íntegra]

Abimaq Setores

Setor de máquinas industriais tem pequeno crescimento em setembro

Segundo a Abimaq, o aumento de 0,1% nas vendas em relação ao mês de agosto foi impactado pela forte queda nas exportações das indústrias para Argentina, Paraguai e Chile

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.