Reflexões da Redação
15 DE janeiro DE 2018 - 13:19

Ano de eleição pode trazer retrocessos ao Brasil

Reflexão dos editores deste portal

Um presidente da República fraco, sem reconhecimento popular e que alterna atos e decisões positivas e negativas – com destaque para a desastrada indicação da nova ministra do Trabalho -, sem dúvida está promovendo uma grande desconfiança e receio de possíveis investidores produtivos internos e externos no Brasil.

Apesar de todo o esforço de seus ministros da área econômica de demonstrarem um quadro de crescimento e o possível afastamento da crise, os investidores precisam muito mais do que isso.

Ao lado das melhorias visíveis, como a retomada – ainda tímida – do consumo, do emprego, da produtividade industrial, além do crescimento do PIB e queda da inflação, os decisores esperam, por exemplo, as reformas prometidas da Previdência e do ambiente Fiscal, fundamentais para criar a desejada segurança para suas aplicações.

Aliás, a recente decisão da S&P, de reduzir a taxa de confiança no país para BB-, veio para confirmar o grau de preocupação dos investidores, que buscam fugir dos maus pagadores.

Neste contexto, o Congresso Nacional não tem ajudado o país a criar um ambiente favorável aos investimentos. Pelo contrário, estes senhores – demasiadamente preocupados consigo mesmos – alimentam o clima de insegurança e afastam possíveis interessados.

Há também um ingrediente que certamente vai complicar mais ainda este cenário de profundas incertezas: daqui nove meses teremos eleições no país. Aliás, sobre isso, o jornal FSP no final do ano passado destacou que investidores estrangeiros preferem aguardar uma definição da situação eleitoral brasileira antes de colocarem dinheiro novo no país.

Ou seja, mais uma vez, as incertezas sobre o futuro próximo do Brasil podem atrapalhar todo o esforço que as empresas instaladas aqui têm feito para conseguir sobreviver às dificuldades impostas pela falta de interesse dos governantes e políticos em traçar caminhos seguros e previsíveis.

Os detentores do poder – e seus seguidores ou cooptados – têm feito tanta coisa errada que não se deram conta de que estão despertando o interesse da população em torno de ideias que podem levar o país ao retrocesso.

Exemplo disso é o fortalecimento retrógado de Lula voltar a ser candidato, mesmo tendo contra ele a possibilidade de condenações por crimes de corrupção. Há também Bolsonaro, com todo seu radicalismo e velhas propostas, além das conhecidas  raposas, que sempre aparecem para tumultuar o processo.

O Brasil precisa agora de pessoas arejadas, com novos ideais verdadeiros que levem o país ao desenvolvimento sustentado, voltado única e exclusivamente aos interesses de seu povo, com prioridade à educação, saúde, trabalho, moradia e, acima de tudo, dignidade.

Desta forma, é fundamental que os brasileiros do Sul, Sudeste, Nordeste, Norte e do Centro-Oeste estejam bem atentos ao destinarem seus votos, pois correm o risco de trazerem de volta o retrocesso ao país.

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.