Eficiência Energética
31 DE agosto DE 2018 - 13:27

AES Tietê inicia armazenamento de energia no interior de São Paulo

A AES Tietê implantou um projeto-piloto de armazenamento de energia por baterias na hidrelétrica de Bariri, na região de Bauru, no início do primeiro semestre deste ano. A usina é a primeira a ser integrada ao sistema de armazenamento que tem capacidade de estocar 161,4 kW – expansível para 1 MW – em baterias de íons de lítio.

Alinhada à estratégia global da empresa de reduzir a sua pegada de carbono em 25% até 2020 e, em 50% até 2030, a companhia adicionou 2,3 GW de renováveis ao portfólio de ativos e no Brasil, no último ano.

Segundo divulgado, a AES Tietê adquiriu 690 MW de projetos solares e eólicos nos últimos dois anos. Dados do Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa Brasileiro (SEEG-Brasil) apontam que, em 2016, o setor elétrico foi responsável por 19% das emissões do país. Foi o terceiro maior emissor no Brasil. No mundo, o setor responde por 74% das emissões.

Para o presidente da AES, Julian Nebrada, no Brasil há uma grande oportunidade para o uso de baterias. “O País tem um dos maiores sistemas de interligação nacional do mundo. É um país continental. Então, o uso de baterias pode colaborar com o fortalecimento do sistema interligado”, disse.

O executivo ressaltou que a empresa acredita que a energia limpa é o futuro. “O mundo precisa reduzir as emissões de gases de efeito estufa, e o setor elétrico é um dos que contribui nessas emissões,” disse ele.

O energy storage, como é conhecido sistema de armazenamento, pode ser aplicado em diferentes funções na rede elétrica. A integração às fontes de energia renováveis, com a finalidade de balancear sua intermitência, é apenas uma das possibilidades.

Outra finalidade da solução está relacionada a projetos direcionados ao consumidor final, como, por exemplo, associada à geração distribuída, nos setores comercial e industrial, para as empresas que estejam buscando confiabilidade e gerenciamento de custos mais apurados.

No Brasil, a aplicação da tecnologia de armazenamento de energia pode ser utilizada para aliviar às redes de transmissão e de distribuição ou em sistemas isolados, tornando-os mais eficientes e trazendo benefícios para o consumidor. Além disso, a novidade contribui com a confiabilidade do sistema, a integração de fontes renováveis intermitentes, a geração de ponta e a otimização de investimentos em linhas de transmissão e distribuição.

Fonte: Abesco/DCI

NewsLetter

Cadastre-se e receba nossas notícias por e-mail.